InícioBrasilMédico de Sobradinho atendia em clínica quando deveria estar na rede pública...

Médico de Sobradinho atendia em clínica quando deveria estar na rede pública do DF

Por Afonso Ferreira, G1 DF

28/05/2019 19h25  Atualizado há um dia


Pronto socorro do Hospital Regional de Sobradinho, no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Pronto socorro do Hospital Regional de Sobradinho, no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal instaurou processo administrativo para investigar um médico que estaria fazendo atendimentos particulares no horário em que deveria atender a pacientes da rede pública.

O alvo da investigação é o oftalmologista Hélvio Durante, lotado no Hospital Regional de Sobradinho (HRS). Documentos obtidos pelo G1 apontam que o médico atendeu clientes em uma clínica privada próximo à unidade, enquanto deveria cumprir carga horária no HRS.

O Ministério Público do Distrito Federal e a Polícia Civil também abriram investigações sobre o caso. À reportagem, o Conselho Regional de Medicina confirmou que apura o episódio.

Alvo da investigação é o oftalmologista Hélvio Durante. — Foto: Arquivo pessoal

Alvo da investigação é o oftalmologista Hélvio Durante. — Foto: Arquivo pessoal

Questionado pelo G1, o oftalmologista disse que “eventualmente se deslocou ao consultório para ver alguma coisa”.

“O médico não está dentro de um hospital como se estivesse em uma prisão”, afirmou oftalmologista.

Atendimento particular

A ausência na rede pública foi registrada na manhã do dia 15 de março. À reportagem, o paciente John Goneli contou que procurou atendimento oftalmológico no Hospital Regional de Sobradinho. Não conseguiu por falta de médico.

Ele resolveu procurar uma clínica particular, na mesma rua. Quando chegou ao consultório, Goneli diz que levou um susto.

“No HRS recebi a informação de que o médico já havia ido embora. Então, resolvi marcar a consulta na clínica particular que me indicaram. Lá encontrei o médico que deveria estar atendendo no hospital público.”

O oftalmologista Hélvio Durante chegou a assinar um atestado de comparecimento para o paciente que foi atendido por volta de 10h de sexta-feira, 15 de março (veja abaixo).

Atestado de comparecimento chegou ser assinado pelo oftalmologista Hélvio Durante — Foto: Arquivo pessoal

Atestado de comparecimento chegou ser assinado pelo oftalmologista Hélvio Durante — Foto: Arquivo pessoal

No entanto, segundo a escala de médicos do HRS, Durante deveria estar trabalhando no hospital público nesse horário. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde.

Segundo a pasta, em 15 de março, o oftalmologista estava escalado para atender no Hospital Regional de Sobradinho entre 8h e 12h.

Secretaria de Saúde informou que servidor estava escalado, no dia 15 de março, no ambulatório do HRS — Foto: Arquivo pessoal

Secretaria de Saúde informou que servidor estava escalado, no dia 15 de março, no ambulatório do HRS — Foto: Arquivo pessoal

As apurações correm em sigilo. Segundo a Secretaria de Saúde, enquanto a investigação está em andamento, a pasta “não pode passar detalhes até a apuração ser concluída, respeitando o sigilo dos procedimentos”.

Servidora cobrou por quarto no Hospital de Taguatinga

Erro ao carregar o recurso de vídeo.

Ocorreu um problema ao tentar carregar o vídeo. Atualize a sua página para tentar novamente.

Acesso gratuito

Faça seu login grátis e tenha acesso ilimitado às exclusividades G1

Servidores da Secretaria de Saúde, enviaram áudios para o G1, denunciando o esquema.

Servidores da Secretaria de Saúde, enviaram áudios para o G1, denunciando o esquema.

Na terça (28), o G1 mostrou um esquema fraudulento envolvendo outra servidora da Secretaria de Saúde do DF. Ruby Lopes, que atuava como supervisora de emergência no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), foi exonerada após a divulgação do caso.

Ela foi gravada negociando o pagamento de valores indevidos por pacientes da rede pública. Ruby prometia cirurgias em um hospital particular da capital. No entanto, no dia do procedimento, informava que que o procedimento seria feito no HRT, hospital público em que não pode ser cobrada nenhuma taxa.

Uma outra vítima contou à reportagem que Ruby Lopes cobrou R$ 1,2 mil para transferir um paciente que estava internado no pronto-socorro para um quarto no hospital. Procurada pelo G1, a servidora exonerada preferiu não se manifestar.

Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments