PMDB vence queda de braço da base e elege Eduardo Cunha presidente da Câmara

    40
    0

    Chinaglia (PT) ficou em segundo lugar, com 136 votos — 131 a menos que o vencedor

    Eduardo Cunha, neste domingo (1º)Joel Rodrigues/Estadão Conteúdo

    O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi eleito, neste domingo (1º), presidente da Câmara para o próximo biênio. Com a vitória, o PMDB permanece na liderança da direção da Casa por mais dois anos, consolidando o fim da alternância de partidos firmada anteriormente com o PT.

    Cunha venceu a disputa com 267 votos, derrotando os outros três
    candidatos ao cargo. Arlindo Chinaglia (PT-SP) recebeu 136 votos e ficou em segundo lugar na disputa.

    O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que tinha o apoio da oposição, recebeu 100 votos e ficou em terceiro lugar. Em último lugar, o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), que não teve apoio oficial de nenhum partido político, recebeu 8 votos. Dois deputados votaram em branco.

    Com a vitória, Cunha leva a melhor na queda de braço com o PT. Mesmo sendo aliados na base de apoio ao governo, os dois partidos disputaram voto a voto a presidência da Casa. Para o professor de ciências políticas da UnB (Universidade de Brasília) Antonio Flávio Testa, a polarização pode parecer um racha, mas ao final vai fortalecer ainda mais a base.

    — Isso não quer dizer que vai haver um racha, mas os partidos vão cobrar muito mais pelo apoio. O PT perde mais, e o PMDB ganha com isso. Ao longo do ano, o PT pode perder espaço, mas a base PT-PMDB não perde. Por mais que abracem políticos diferentes, são partidos muito aliados ainda.​

    Composição da Mesa

    Como não indicou candidatos próprios a nenhum cargo e perdeu a eleição, o PT está fora da Mesa Diretora da Câmara pelos próximos dois anos.

    O deputado Waldir Maranhão (PP-MA) foi indicado pelo bloco do PMDB para ser o primeiro vice-presidente e venceu a eleição. Como era candidato único, bastou conseguir votos suficientes para formar o quórum mínimo exigido (257 votos).

    Já a segunda vice-presidência foi resolvida nas urnas pelo nome de Lúcio Vale (PR-PA). Ele foi o indicado pelo bloco do PT, mas Giacobo (PR-PR) decidiu lançar uma candidatura avulsa, mesmo sendo do mesmo partido do parlamentar que foi indicado oficialmente. Ele foi, no entanto, derrotado.

    A primeira secretaria da Câmara, responsável pelos serviços administrativos da Casa, também foi indicação do bloco do PMDB, que escolheu o deputado Beto Mansur (PRB-SP). A segunda secretaria, que cuida de assuntos internacionais e passaportes diplomáticos dos parlamentares, ficou com o deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), indicado pelo bloco do PT.

    O bloco da oposição, encabeçado pelo PSDB, ficou com a terceira secretaria – que exerce a função de corregedoria da Câmara, além de regular as passagens de transporte aéreo e as faltas dos deputados. A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) foi a escolhida.

    A quarta secretaria, que cuida dos apartamentos funcionais e da concessão de auxílio moradia, vai ficar com o deputado Alex Canziani (PTB-PR). O parlamentar foi indicado pelo bloco do PMDB.

    No caso das quatro secretarias, os candidatos concorreram sem nenhum concorrente para os respectivos cargos foram aprovados pelos deputados presentes.

    Do R7