InícioPartido estuda deixar coligação do candidato Agnelo Queiroz
Array

Partido estuda deixar coligação do candidato Agnelo Queiroz

Quatro partidos reclamam que não têm recebido ajuda de Agnelo na campanha
R7 Página Inicial

Agnelo:debandada
 
PTdoB estuda sair da coligação de Agnelo Queiroz (PT)
Myrcia Hessen, do R7
O candidato ao governo do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT) corre o risco de ver a sua coligação diminuída antes mesmo do fim do primeiro turno das eleições. O PTdoB no Distrito Federal fará uma reunião na noite desta terça-feira (23) para decidir se permanece na coligação Respeito por Brasília, já que, segundo o partido, não tem recebido ajuda para campanha de seus candidatos. A assessoria de Agnelo Queiroz nega a quebra do acordo. Segundo o presidente local da legenda, Paco Britto, a Executiva Nacional já recebeu um abaixo-assinado dos membros do DF pedindo para abandonar a campanha de Agnelo.
—Fizeram pedidos para sair por compromissos não cumpridos. [Agnelo] não está ajudando na campanha [dos candidatos da legenda]. Ele [Agnelo] fez isso com todos os partidos, mas eu só posso falar pelo PTdoB. Eu vou me reunir com o vice-governador para falar que faremos essa reunião para decidir sobre a saída da coligação.
Leia mais notícias no R7 DF
Ibope: Rodrigo Rollemberg (PSB) lidera e Agnelo e Frejat estão empatados no DF
Fontes do PHS (Partido Humanista da Solidariedade) também afirmam que o atual governador do DF Agnelo Queiroz não tem cumprido o que estava acordado com a legenda. Porém, a assessoria garante que o partido ficará com ele até o final do primeiro turno para honrar com o compromisso feito com a coligação Respeito por Brasília.
O presidente do PEN-DF (Partido Ecológico Nacional do Distrito Federal), deputado Alírio Neto, também acusa a coligação de Agnelo de não honrar o compromisso que assumiu com a legenda. Porém, mesmo com vontade, Neto diz não ter condições de deixar a campanha do candidato neste momento, como possivelmente fará o PTdoB.
— Eu vou honrar porque não seria ético da nossa parte não ir até o final. Mas, fica difícil sem ajuda. [Agnelo] assumiu o compromisso de nos ajudar, ainda assim o partido tem seguido por contra própria. O maior problema disso é que nossos candidatos não querem que coloque o nome do Agnelo [no material de campanha], porque ele não ajudou financeiramente. Para piorar, ele fez uma reunião, falou as datas do repasse e os candidatos nos cobraram, como se a gente tivesse recebido.
O PSC (Partido Social Cristão) foi o único partido procurado pelo R7-DF que informou, por meio de sua assessoria, que tem sido sondado por outros candidatos, mas que pretende ficar na coligação de Agnelo Queiroz até o fim das eleições. Além disso, a legenda nega que a coligação Repeito Por Brasília tenha desonrado o comprimisso firmado com os partidos da coligação.
— O Agnelo nos forneceu o horário eleitoral, temos recebido todo material de campanha. Estamos chegando no final da eleição e vamos continuar.
Para o presidente do PTN-DF (Partido Trabalhista Nacional no Distrito Federal), Rodrigo Delmasso, mesmo sem receber ajuda do Agnelo, é difícil que as legendas deixem a coligação neste momento. Isso porque, segundo ele, não seria uma boa atitude.
— A gente não pode [sair da coligação]. A gente vai ter que caminhar até o fim do primeiro turno. Agora, se ele [Agnelo] for para o segundo turno vai ser outra conversa porque ele só nos garantiu a gravação do programa de televisão, as outras coisas não. Estamos recebendo praticamente zero de ajuda e não sabemos o motivo. Mas, sair da base há 12 dias da eleição não dá. Vontade não falta.
A coligação Respeito por Brasília, do governador Agnelo Queiroz, é formada por 16 partidos: PT, PMDB, PRB, PC do B, PRP, PPL, PV, PP, PTN, PT do B, PSC, PROS, PTC, PSL, PHS, PEN. Em nota enviada ao R7-DF, o governador garante ter honrado com todos os compromissos assumidos com a coligação.
— Todos os partidos foram ajudados com material gráfico, adesivos para carro e toda estrutura para gravação e veiculação dos programas de rádio e TV dos candidatos a deputado federal e distrital. Além de receberem ajuda na campanha, todos os partidos participam do governo.
Segundo o TSE, não existe na lei eleitoral ponto que proíba a legenda de deixar uma coligação. Na jurisprudência recente, nenhuma caso como este foi julgado, segundo o Tribunal. A regra pode ser criada segundo o julgamento da corte se Agnelo Queiroz entrar na justiça eleitoral contra os partidos.
Debate Record
Agnelo Queiroz já confirmou presença na próxima sexta-feira (26), às 22h30, no debate promovido pela Rede Record de televisão, onde poderá falar sobre este e outros assuntos eleitorais. O evento acontece no Memorial JK e será intermediado pelo apresentador do telejornal DF Record, Luiz Carlos Braga.
O debate contará com uma plateia de autoridades, formadores de opinião e convidados dos partidos políticos. Ao todo, serão cinco blocos. O primeiro, segundo e quarto blocos serão idênticos, com confronto direto entre os candidatos no formato de pergunta, resposta, réplica e tréplica. No terceiro bloco, jornalistas da TV Record Brasília e do Portal R7 DF farão perguntas aos candidatos e escolherão um outro concorrente para comentar a resposta. No quinto bloco, será o momento para as considerações finais.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments