DF faz 30 transplantes de medula óssea em 10 meses

    17
    0

               :
    Nos últimos dez meses, o Distrito Federal realizou 30 transplantes autólogos de medula óssea (TMO) pelo Sistem Único de Saúde (SUS); até novembro do ano passado, pacientes que precisavam do transplante autólogo, tinham que ser encaminhados a outras unidades da Federação; procedimentos autólogos ocorrem quando as células retirada para transplante são do próprio paciente

     
     – Desde o dia 20 de novembro de 2013, o Distrito Federal já realizou 30 transplantes autólogos de medula óssea (TMO) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O procedimento autólogo ocorre quando a retirada de células utilizadas no transplante provém do próprio paciente.
    Para que esses transplantes ocorram para os pacientes do SUS no DF, a Secretaria de Saúde, a Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) e o Instituto de Cardiologia – hospital credenciado pelo SUS como Centro Transplantador – trabalham em harmonia.

    De acordo com a médica Flávia Zattar Piazera, hematologista e especialista em TMO, pacientes que precisavam do transplante autólogo antes tinham que ser encaminhados a outros Estados para realizar o procedimento. “Em menos de dez meses realizamos 30 transplantes. Um número bastante significativo. Outros hospitais no futuro poderão se credenciar como Centros Transplantadores, aumentando assim a oferta de transplante no sistema público de saúde do DF”, explicou.

    Segundo a diretora-presidente da Fundação Hemocentro de Brasília, Beatriz Mac Dowell Soares, para se tornar um Centro Transplantador é necessário que o hospital atenda às normas do Serviço Nacional de Transplante, que exigem o cumprimento de regras e procedimentos para o sucesso do TMO. Dentre elas, a que determina que o Centro Transplantador tenha um serviço de hemoterapia para suporte ao transplante. “O Hemocentro de Brasília é o responsável pelo processamento, armazenamento e liberação das bolsas de células hematopoéticas, que são coletadas e infundidas pela equipe transplantadora da FUC”, informou a diretora.

    HEMOCENTRO – A direção do Hemocentro de Brasília verificou, no começo de 2013, que nas instalações do Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentárioda FHB havia um potencial para realizar o processamento de células tronco hematopoéticas para o transplante autólogo de medula óssea, até então não oferecido pelo SUS-DF.

    O próximo passo foi selecionar um médico e um biomédico para trabalhar no processamento e congelamento das células tronco. “Chamamos para trabalhar com TMO uma médica hematologista e especialista em Transplante de Medula Óssea e uma biomédica do Hemocentro, que foi capacitada pelo INCA. Assim, no dia 9 de novembro de 2013,o Hemocentro de Brasília processou e congelou a primeira bolsa de células progenitoras hematopoéticas (células tronco) coletadas na FUC, colhidas de um paciente encaminhado pelo Hospital de Base do DF ao Instituto do Coração/FUC. O transplante foi realizado no dia 20 do mesmo mês”, informou a diretora-presidente da FHB, Beatriz Mac Dowell Soares.

    COMO É FEITO O TRANSPLANTE – Os pacientes da rede pública de saúde com indicação de transplante de medula óssea são encaminhados pelo Hospital de Base do Distrito Federal ao Instituto de Cardiologia do DF (FUC). A FUC então inicia a preparação do paciente ao TMO, que consiste inicialmente na mobilização das células tronco e a coleta destas células do paciente, por aférese (um procedimento no qual um componente sanguíneo é separado e removido do organismo humano através da utilização de um equipamento automatizado).

    Esse material é enviado ao Hemocentro de Brasília que realiza o processamento, a criopreservação e estudos de viabilidade celular. Na sequência, armazena-se o produto em um freezer, a -80ºC, até a data do transplante. O próximo passo é aguardar que o hematologista da FUC, responsável pelo transplante, comunique ao Hemocentro quando vai realizar o transplante. O Hemocentro, na data marcada, encaminha a(s) bolsa(s) para o médico transplantador realizar a infusão das células no paciente.

    Agência Brasília