Aborto em meninas de 13 anos!. morte de inocentes. quem vai punir os responsáveis?

    18
    0
    COMPARTILHAR

    A polícia realizou uma operação para desarticular uma quadrilha que realizava abortos no Rio de Janeiro. Ao todo, são 75 mandados de prisão e 118 mandados de busca e apreensão contra integrantes da organização apontada como a principal responsável pela prática de abortos no estado. Segundo a Corregedoria da Polícia Civil no Rio de Janeiro, há registros de que a quadrilha realizava abortos em meninas de 13 anos de idade.

    A organização criminosa, além de atender gestantes do Rio de Janeiro, prestava serviços para mulheres grávidas de outros estados, atendendo sempre em locais sem quaisquer condições de higiene e salubridade, expondo a risco a integridade física e a saúde das pacientes.
    Casos recentes Dois casos recentes de abortos chamaram a atenção da sociedade. Jandira Magdalena dos Santos, de 27 anos, morreu durante o procedimento de aborto. O corpo foi encontrado dentro de um veículo queimado na Zona Oeste da cidade. Elizângela Barbosa, de 32 anos, também morreu depois de ser submetida a um aborto em Niterói, Região Metropolitana do Rio. Na bolsa, a vítima levava R$ 2,8 mil para pagar pelo procedimento.



    O Deputado Federal Ronaldo Fonseca (PROS-DF) destacou que os princípios que norteiam uma sociedade sofrem influência principalmente dos meios de comunicação. segundo o parlamentar que é conhecido como o deputado da família, a noticia dos abortos ilegais no Rio de Janeiro, está sendo apresentada nos noticiários apenas pelo viés da proteção da mulher, e não pelo crime cometido com os inocentes.



    “Vou apresentar pedido de CPI para investigar o tamanho desse genocídio e punir os responsáveis”  Disse Fonseca.

    Segundo o Código Penal Brasileiro, o aborto é Crime

    Aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento
    Art. 124 – Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lho provoque:
    Pena – detenção, de um a três anos.



    Fonte: Informa Tudo DF/ Com informações do G1