Início Notícias Brasil CLDF: É só Subindo! Despesa com deputados distritais só aumentam

CLDF: É só Subindo! Despesa com deputados distritais só aumentam

58
0
COMPARTILHAR
Brasília (DF), 17/04/19. Câmara Legislativa do DF - CLDF. Fachada. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Folha cresce R$ 25 mi e CLDF entra na rota do descumprimento da LRF

Despesa com deputados distritais aumenta desde 2017. A situação compromete a nomeação de aprovados em concurso público da Casa

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

Em franco crescimento, os gastos com salários e benefícios na Câmara Legislativa caminham para ultrapassar a marca de alerta da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Ao longo de 2017, a despesa com pessoal da Casa do Povo comprometeu 1,46% da Receita Corrente Líquida do Distrito Federal (RCL-DF). Em 2018, desembolsou 1,50%. No último cálculo parcial de 2019, publicado em julho, bateu a marca 1,52%. Dentro dos próximos dias, será divulgado novo número. A previsão do Poder Legislativo local é de incremento que fique entre 1,55% e 1,56%.

Segundo a LRF, o limite de alerta é acionado após a marca de 1,53%. A partir de 1,62%, a Casa fica impedida de fazer novas contratações. Se chegar a 1,70%, medidas mais drásticas precisam ser tomadas, como a demissão de comissionados e a responsabilização legal dos gestores.

Em 2017, a despesa bruta dos deputados distritais com folha de pagamento girou em torno de R$ 397 milhões. No ano passado, disparou para R$ 423 milhões, um crescimento de R$ 25 milhões.

Na conta dos ativos, ou seja, de concursados e comissionados, o gasto passou de R$ 327 milhões para R$ 340 milhões, entre 2017 e 2018. No mesmo período, o pagamento de aposentadorias e pensões subiu de R$ 69 milhões para R$ 82 milhões, configurando aumento de R$ 12 milhões, equivalente a 18,2%.

A Câmara tem 1.155 cargos em comissão. Deste total, 143 são ocupados por concursados. Conforme as contas da Casa, dois terços da folha de pagamento vão para concursados. Dos R$ 23 milhões pagos no último salário, R$ 15 milhões foram destinados ao quadro efetivo. Assombrada pelo aumento dos gastos com proventos, o parlamento distrital colocou um freio nas nomeações dos 86 aprovados em concurso.

De acordo com a assessoria legislativa, somente 26 foram chamados até o momento. Os demais serão convocados gradativamente, conforme disponibilidade orçamentária.

Onda de comissionados

Na avaliação do presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo e do Tribunal de Contas do DF (Sindical-DF), Jeizon Allen Silverio Lopes, o problema do Legislativo brasiliense é o excesso de cargos em comissão e os altos salários pagos aos apadrinhados políticos. “Se a Câmara, de fato, quiser resolver a situação, não é deixando de chamar os concursados: ou exonera comissionados ou diminui os salários deles”.

Neste contexto, Jeizon levanta outro problema: “A Câmara precisa de uma reforma administrativa a fim de diminuir a quantidade de cargos e a supressão de unidades administrativas. Existe a área dos recursos humanos e a divisão de recursos humanos. Qual é a atribuição delas? A mesma”, disparou. Mesmo assim, Jeizon não considera que os gastos com pessoal da Casa estejam comprometidos. Segundo o sindicalista, as despesas com inativos não pesam na conta legislativa da LRF, sendo repassadas para o Instituto de Previdência dos Servidores do DF (Iprev-DF).

Contribuição patronal

Para a Câmara Legislativa, a despesa com pessoal está dentro dos limites do LRF. Mesmo que o próximo balanço seja de 1,56%, os gastos estarão abaixo do limite prudencial. Na versão da Casa, a folha cresce de forma vegetativa, impulsionada por planos de carreira. Outra justificativa é a queda da arrecadação do DF.

A previsão de 2019 é de crescimento tímido de recolhimento de impostos da ordem de 4,5 a 5%. Em 2011, por exemplo, o incremento foi exponencial: 11,5%.

Cortes

Na leitura do presidente do Conselho Regional de Economia do DF (Corecon-DF), César Bergo, a elevação de gastos com pessoal na CLDF chama atenção, principalmente no caso dos inativos. “O cidadão está pagando impostos e quer que o uso do dinheiro público seja mais eficiente”, assinalou. Para o especialista, a Casa do povo deveria analisar os prós e os contras de uma reforma administrativa. “Às vezes, as atividades não justificam tantos comissionados. Também podemos trocar horas extras por banco de horas”, exemplificou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here