Sobe para 41 o número de mortos no RS; SC teve um óbito

O governador Eduardo Leite (PSDB) decretou estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul

Subiu para 41 o número de mortos pela passagem do ciclone no Rio Grande do Sul, que se formou no estado na última segunda-feira (4) , informou a Defesa Civil na manhã desta quinta-feira (7). Houve também um óbito no estado de Santa Catarina, totalizando 42 vítimas fatais na região Sul do país.

No Rio Grande do Sul, foram registrados óbitos nos municípios de Passo Fundo (1 morte), Mato Castelhano (1 óbito), Ibiraiaras (2 vítimas), Lajeado (3 pessoas), Estrela (2 mortes), Encantado (1 pessoa morreu), Imigrante (1 óbito), Santa Tereza (1 pessoa morreu) e Cruzeiro do Sul (4 mortos).

Publicidade

Além dessas cidades, houve registro de mortes também nos municípios de Muçum e Roca Sales, com 15 e 10 mortes, respectivamente. Em Santa Catarina, o óbito ocorreu na cidade de Jupiá, no norte do Estado.

O governador gaúcho Eduardo Leite (PSDB) lamentou os falecimentos nas redes sociais. “Lamentamos cada vida perdida e estamos trabalhando para fazer todos os resgates possíveis nas regiões mais atingidas. Milhares de pessoas já foram salvas por nossas equipes”, escreveu.

As atenções se dirigem agora, também, para o Vale do Rio Pardo. Helicópteros da Brigada, dos Bombeiros e da Civil são empregados para resgates, com o apoio de 1 aeronave da PRF, 1 da FAB e 1 da Marinha. Trabalho para que as forças armadas possam liberar + aeronaves o quanto antes— Eduardo Leite (@EduardoLeite_) September 6, 2023

O governador ainda informou que este é o maior número de mortes devido a um evento climático já ocorrido no estado.

O Corpo de Bombeiros encontrou 15 corpos ao fazer uma vistoria em uma casa nessa terça-feira (5), segundo a Defesa Civil. Outras seis vítimas foram confirmadas entre segunda (4) e ontem, em cidades do Norte do estado.

Publicidade

O ciclone levou à elevação do nível de água dos rios, provocando enchentes e fazendo com que  muitos moradores tenham ficado ilhados em cima de telhados de casas em alguns municípios.

Até o início da tarde desta quarta, a  Defesa Civil mantém o alerta de inundação para o Rio Caí e o Rio Taquari.  A orientação é que as famílias que morem perto das margens deixem as casas devido ao risco de alagamento.

Em caso de emergência ou necessidade de resgate, os moradores devem ligar para a Brigada Militar (190) ou para o Corpo de Bombeiros (193).