Início Brasília Nem aí pro povo: Depois de vacinados, enfermeiros esnobam da população e...

Nem aí pro povo: Depois de vacinados, enfermeiros esnobam da população e programar greve

103
0
Vila Franca de Xira,14/11/2014. Reportagem no Hospital de Vila Franca de Xira sobre a greve dos enfermeiros . (Paulo Spranger /Global Imagens)

Depois de vacinados, enfermeiros esnobam do povo ao programar greve

Não é honesto parar o processo de vacinação, para revindicar salários, no momento que a pandemia segue matando centenas  de pessoas no país e no DF 
Os mais de 43 mil enfermeiros da rede pública e privada do DF, que já estão imunizados, não se importam com as vidas dos milhares de brasiliense que ainda não receberam a vacina contra Covid.

A categoria anunciou para o final de junho, a paralisação de suas atividades nos postos de vacinação do DF e em todos os pontos de drive-thru.

Os enfermeiros vão pressionar o legislativo federal para a aprovação do Projeto de Lei nº 2.564/2020, que estabelece um novo piso salarial da categoria.

A proposta estabelece salário de R$ 7.315 para enfermeiros; R$ 5.120 para técnicos e R$ 3.657 para os auxiliares de enfermagem e parteiras.

A ação é meramente politiqueira.

O Sindicato dos Enfermeiros (SindEnfermeiro-DF) sabe que, no caso do DF, os  servidores públicos de enfermagem, sejam enfermeiros ou técnicos de enfermagem, têm o maior salário do país.

O salário médio de enfermeiro da rede pública do Rio de Janeiro, por exemplo,  é de R$3.691 por 40 horas. Já em Sergipe é bem menor: R$ 2.588 por mês.

Aqui, a carga horária de um enfermeiro ou técnico enfermagem é de 20h.

Os enfermeiros do DF recebem em média R$6 mil iniciais quando somados insalubridade e outros benefícios. Os técnicos chegam a R$ 3 mil pela mesma jornada.

Parar o processo de vacinação, dos que correm contra o tempo pela vida, é uma ação cruel no  momento que o DF conseguiu  imunizar apenas 698.243 com a primeira dose.

Entre estes, 146.067 são trabalhadores de saúde que atuam nas redes pública e privadas da capital federal.

Não é honesto paralisar o processo de vacinação no momento que a sociedade luta pela vida.

O sindicato dos enfermeiros não pode usar a máquina mortífera pandemia como arma política para negociar os seus salários.