Início Notícias Brasil Confira seis postos que vendem gasolina por menos de R$ 4 no...

Confira seis postos que vendem gasolina por menos de R$ 4 no DF

523
0
*

Em um dos estabelecimentos, combustível mais barato vale apenas para estudantes que apresentarem a carteirinha da universidade ou faculdade

Hugo Barreto/Especial para o Metrópoles

A grande variação no preço do litro de gasolina no Distrito Federal tem feito os consumidores brasilienses fazerem filas nos postos que cobram mais barato pelo combustível. O Metrópoles percorreu diversos estabelecimentos nesta quinta-feira (4/1) e constatou que em cinco deles é possível abastecer pagando menos de R$ 4.

A dica é pesquisar, pois o valor final do litro pode variar R$ 0,45. Em alguns postos da Asa Sul, o produto chega a custar R$ 4,48. O preço mais em conta, de R$ 3,86, à vista, é encontrado no Petrolino, em Taguatinga.

Também na região administrativa, no posto Nenen’s e no Shell, é possível abastecer por R$ 3,99. Na Estrada Parque Taguatinga (EPTG), o menor valor encontrado foi de R$ 3,89, no Safe Way e no Ipiranga.

Na luta para atrair mais clientes, as empresas estão inovando. No Posto da Torre, que deu origem à operação Lava Jato, o litro custa R$ 4,16, mas quem apresentar a carteirinha da universidade onde estuda ganha desconto de R$ 0,17. Segundo o gerente do estabelecimento, Neudo Bezerra de Albuquerque, a promoção vale apenas para pagamento à vista e é temporária.

“Diferenciamos o preço final para dar oportunidade aos estudantes de pagarem um pouco menos no litro que já está bastante caro. Quem chegar e mostrar a carteirinha da universidade paga R$ 3,99. A promoção pode acabar a qualquer momento”, disse Neudo.

Insatisfação
Segundo levantamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o preço médio praticado no Distrito Federal em um ano subiu de R$ 3,627, em dezembro de 2016, para R$ 4,197 no ano passado. A oscilação de preços praticados pelos postos de combustíveis é fruto da nova política de reajustes da Petrobras, anunciada em 30 de junho e em vigor desde 3 de julho.

O modelo de correção dos custos é pautado conforme avaliações de todas as condições do mercado. Pesam nas análises questões como o câmbio e as cotações internacionais do barril do petróleo. Mas a justificativa não convence os consumidores. A assistente de coordenação Kelly Martins, 34 anos, viu a despesa com combustíveis passar de R$ 250 para R$ 375 por mês, desde o fim de 2016.

“Tínhamos condições para ter combustível mais barato, mas estamos pagando o preço da corrupção. Precisamos agir e reclamar. É um absurdo de caro ter carro hoje em dia”, reclama a moradora de Taguatinga, que enfrenta filas para pagar mais barato. “Qualquer centavo faz a diferença”, argumenta.

O consultor empresarial Diego Feliciano, 28 anos, também está insatisfeito com os aumentos recorrentes. Morador de Samambaia, ele enfrentou a fila no posto Petrolino para aproveitar a promoção nesta quinta: “Como iria encher o tanque, compensou vir até aqui. Mesmo assim, tem dias que perco mais de 40 minutos na fila. Como que em outros estados o litro da gasolina é mais barato? Não podemos deixar ficar assim”.

Metrópoles procurou o Sindicombustíveis para falar sobre o assunto, mas a entidade não havia retornado até esta publicação.

Fonte : Metrópoles