Início Brasil Contraditório: Temer desmente Jucá

Contraditório: Temer desmente Jucá

46
0
*

Temer desmente Jucá e diz que decidirá data da votação da Previdência

Planalto publicou nota contraditória após as declarações do líder do governo no Senado, Romero Jucá, de que reforma ficaria para fevereiro

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Rafaela Felicciano/Metrópoles
Agência Estado

Após as declarações do líder do governo no Senado, Romero Jucá, de que já haveria um acordo para deixar a reforma da Previdência para fevereiro, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República publicou uma nota para informar que Jucá se antecipou ao divulgar informação. O presidente afirma que terá conversas para definir a data da votação. A informação é do jornal O Globo.

Segundo o texto, a nota divulgada pelo Planalto nesta tarde diz que o presidente espera que seja lido na quinta-feira o novo projeto da reforma da Previdência, de autoria do relator da proposta, deputado Arthur Maia (PPS-BA), e que só depois disso vai conversar com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunicio Oliveira (PMDB-CE), para definir a data de votação.

“Após passar por procedimento cirúrgico em São Paulo na tarde de hoje, o presidente Michel Temer retornará a Brasília nesta quinta-feira (14), com liberação da equipe médica que o acompanha”, diz a Secom. “Ele espera ainda para amanhã a leitura da emenda aglutinativa do deputado Arthur Maia sobre a reforma da Previdência. Somente depois disso o presidente discutirá com os presidentes do Senado Federal, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a data de votação da proposta”, completa o texto divulgado no Planalto.

Auxiliares do presidente fizeram reuniões no Planalto, após as declarações de Jucá, e decidiram publicar a nota para mostrar que não há a intenção “de jogar a toalha” na “batalha” pela aprovação da proposta.

De acordo com a reportagem, antes das declarações de Jucá, auxiliares do presidente ressaltavam que ele havia ficado “muito animado” com o fechamento de questão do PSDB. Temer, que foi obrigado a cancelar parte da agenda desta quarta por problemas urológicos, vinha mantendo uma extensa agenda na tentativa de conseguir os 308 votos para aprovar a proposta.