Início Notícias Brasil Não há ainda decisão para ampliar a interrupção no fornecimento de água....

Não há ainda decisão para ampliar a interrupção no fornecimento de água. Diz presidente da Caesb.

61
0
O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, em coletiva na sede da Caesb nesta sexta-feira (20). Foto: Renato Araújoi/Agência Brasília

Caesb estuda alternativas para evitar ampliação do rodízio de água

Na tarde desta sexta-feira (20), presidente da companhia informou que o plano com alteração do corte será entregue na segunda (23) à Adasa, mas governo ainda trabalha com outras opções

AMANDA MARTIMON, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Na segunda-feira (23), a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) enviará novo plano de racionamento de água em Brasíliapara aprovação da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa).

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, em coletiva na sede da Caesb nesta sexta-feira (20). Foto: Renato Araújoi/Agência Brasília
O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, em coletiva na sede da Caesb nesta sexta-feira (20). Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

A medida é necessária diante das novas resoluções da agência, publicadas hoje, que autorizam a ampliação do tempo de rodízio e o uso de recursos para a captação do volume morto no reservatório do Descoberto.

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, informou hoje (20), em coletiva, que não há ainda decisão para ampliar a interrupção no fornecimento de água. “A princípio, vamos trabalhar com alternativas, e vai depender da velocidade com que o reservatório baixe”, avaliou.

A companhia faz o planejamento para o caso de serem necessárias adaptações. Atualmente, o corte em cada região é de 24 horas semanais. A resolução permite aumentar esse tempo para até 48 horas. Se houver mudanças no rodízio, Luduvice explicou que será feita ampla divulgação com antecedência.

“A princípio, vamos trabalhar com alternativas, e (a ampliação do rodízio) vai depender da velocidade com que o reservatório baixe”Maurício Luduvice, presidente da Caesb

Com melhorias feitas no sistema de abastecimento do DF, além de medidas adotadas para desafogar o Descoberto, a companhia propõe novo limite de nível do reservatório à Adasa para que se adotem ações mais duras de racionamento.

Segundo o presidente da Caesb, estudos de técnicos da concessionária balizam que é possível fazer bombeamento da água em um nível mais baixo, sem estragar os equipamentos. Aliado às medidas que desafogam o reservatório, isso permitiria operar o sistema do Descoberto com cerca de 5,5% da capacidade.

Atualmente, a curva definida pela agência é de 9% para o fim de outubro. Na medição desta sexta (20), o reservatório marcou 10,5% da capacidade.

O plano preparado pela Caesb tem dois cenários para cada reservatório: Descoberto e Santa Maria. Mas a companhia não definiu se os dois serão aplicados ao mesmo tempo.

Interligação de sistemas de abastecimento

Como parte das medidas de enfrentamento à crise hídrica, a Caesb fez adaptações para permitir a transferência de água do reservatório do Sistema Santa Maria-Torto para o Sistema Descoberto, que está em situação mais crítica.

“A gente vem reduzindo gradualmente a participação do Descoberto no abastecimento do DF”, disse Luduvice. Na primeira etapa da interligação, o Guará I e o II passaram a ser abastecidos pelo de Santa Maria — que, por sua vez, tem sido poupado pela captação de água no Lago Paranoá.

LEIA TAMBÉM

Técnicos da Caesb acompanham a evolução dos níveis do Reservatório do Descoberto. Companhia esclarece que, se decisão for necessária, será amplamente divulgada com antecedência

ADASA AUTORIZA AMPLIAÇÃO DO RACIONAMENTO, MAS MEDIDA AINDA NÃO SERÁ ADOTADA

Na segunda etapa, foi acrescentada área considerada uma expansão do Guará, como a região do Lucio Costa e a Colônia Agrícola Águas Claras. A fase em andamento inclui Núcleo Bandeirante, Candangolândia e parte do Park Way no abastecimento de Santa Maria.

Na quarta etapa, a Caesb adianta que construirá uma elevatória para anexar a parte baixa de Águas Claras na interligação. A quinta fase levaria abastecimento também de Santa Maria para Vicente Pires.

Captação do volume morto do Descoberto

Autorizada a usar R$ 6,25 milhões para a captação do volume morto do Descoberto — sendo R$ 5 milhões da tarifa de contingência e R$ 1,25 milhão de reserva adicional —, a Caesb trabalha na elaboração de um termo de referência para adquirir tecnologia que permita a ação.

“Temos que estar preparados para deixar o volume morto utilizável. Mas não com a intenção de usar”, ponderou Luduvice durante coletiva. A contratação será via pregão eletrônico e a estimativa é de que o certame leve 15 dias.

EDIÇÃO: VANNILDO MENDES