O movimento de tucanos pelo desembarque do governo Temer foi deflagrado nos últimos dias depois que a bancada da Câmara ameaçou com uma rebelião. Havia grande desconforto da base do partido com a ação de alguns caciques pela permanência no governo.

“Não dava mais para o Aloysio ficar ganhando o partido no grito”, reagiu um senador tucano, ao demonstrar desconforto com a posição pública do ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, influenciando a posição da legenda para permanecer no governo.Diante do desgaste público do PSDB, o partido passou a pesar na balança o desgaste na imagem da sigla para disputar as eleições do próximo ano. “Não dá mais para sacrificar uma bancada de deputados para a manutenção de quatro ministros”, reagiu esse senador.

Ao mesmo tempo, o partido também quer isolar a posição do senador Aécio Neves, presidente licenciado do PSDB.

Aécio defende apoio ao governo Temer. Os tucanos avaliam que já demonstraram solidariedade e apoio ao senador mineiro, alvo da delação da JBS.

E que a fatura foi liquidada com o arquivamento em definitivo do caso dele no Conselho de Ética. “Por uma questão pessoal, Aécio não pode cobrar o suicídio coletivo do PSDB. Está na hora de ele deixar o comando do partido em definitivo e mergulhar”, completou.

Do G1.