InícioTJ aceita denúncia de crime ambiental contra deputado Agaciel Maia, do DF
Array

TJ aceita denúncia de crime ambiental contra deputado Agaciel Maia, do DF

 

Distrital construiu propriedade em área de proteção, segundo o MP.
Parlamentar disse que vai fazer as correções sugeridas pela Justiça.

 

                         

Mansão do deputado distrital Agaciel Maia (PTC); segundo MP no Lago Sul, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)Mansão do deputado distrital Agaciel Maia no Lago Sul, em Brasília (Foto: Isabella Formiga/G1)

O Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal acatou nesta terça-feira (11) a denúncia do Ministério Público contra o vice-presidente da Câmara Legislativa do DF, Agaciel Maia (PTC) e a mulher dele, Sanzia Erinalva Maia, por crime ambiental. Segundo o MP, o deputado distrital expandiu uma propriedade no Lago Sul para uma área de proteção permanente (APP) às margens do Lago Paranoá.
De acordo com o TJ, o terreno adquirido em 2001 media 1.087 m² e foi ampliado para 11.150 m². O tribunal informou que a parte da propriedade que excede o limite permitido se refere às construções de uma piscina, de uma garagem e de um sistema de aquecimento solar.
O deputado Agaciel Maia disse que vai se antecipar à Justiça e fazer as modificações necessárias. “Vou acatar e fazer as correções sugeridas, que já estão indicadas. Vou tirar algumas partes de concreto e fazer o plantio, de acordo com o Prad [Plano de Recuperação de Área Degradada]. Vou fazer isso, embora o Ibram fez uma vistoria e não constatou [nenhuma irregularidade], não fez nenhuma notificação”, afirma.
Em setembro do ano passado, quando o MP entrou com a ação contra o deputado, Maia afirmou que contratou um engenheiro florestal para fazer um projeto de recuperação de áreas degradadas e que não fez alterações no terreno depois que comprou o imóvel.
“Grande parte do que dizem que fiz já estava pronto quando comprei a casa 17 anos atrás. Foi feito uma auditoria em 2007 para constatar quem tinha construído casa a 30 metros do lago. Eu não tenho”, disse.
Segundo o MP, o desembargador-relator vai intimar o deputado para que ele se manifeste sobre a proposta de suspensão do processo. Caso o distrital opte por fazer os reparos, ele terá dois anos para cumprir o que foi determinado pelo juiz.
FONTE: G1

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments