Início Brasília Depoimento do pai de Bernardo sobre morte do filho

Depoimento do pai de Bernardo sobre morte do filho

133
0
COMPARTILHAR

depoimento do pai de Bernardo sobre morte do filho

Paulo Roberto disse que jogou o corpo do menino às margens de rodovia após pensar “na merda que ia dar”

Reprodução/PCDFREPRODUÇÃO/PCDF

A Polícia Civil do DF (PCDF) divulgou na tarde desta quarta-feira (04/12/2019) vídeo de 5 minutos e 1 segundo com o depoimento de Paulo Roberto de Caldas Osório, 45 anos. Ele confessou ter dado uma dose de remédios controlados para o próprio filho Bernardo, de apenas 1 ano e 11 meses, misturado ao suco. A criança teria morrido após ser pega pelo pai na escola, na sexta-feira (29/11/2019).

Osório, que é agente de estação do Metrô-DF, admitiu que estava chateado com a mãe da criança, Tatiana da Silva, 30. A mulher recorreu à Justiça em busca de pensão para o filho. “Eu estava num momento de necessidade. Meu pai tinha morrido. Teve a greve do Metrô. E ela não precisava do dinheiro”.

Revelou como deu a medicação à criança, quando descobriu que o filho havia morrido e porque decidiu descartar o corpo às margens da rodovia que liga os estados de Goiás e da Bahia: “Pensei na merda que ia dar”. Toda a história é contada sem emoção, com frieza.

Questionado sobre a sensação que sentiu ao ver o filho morto, Osório relatou evitar pensar no que tinha feito: “Ele [Bernardo] era minha alegria. Tudo que eu tinha era ele”. O momento da declaração é o único em que o homem se impacienta na cadeira e mostra alguma sensibilidade.

Veja o vídeo:

Mais cedo, em outro vídeo divulgado pela PCDF, Paulo Roberto de Caldas Osório contou ter jogado o corpo do filho às margens da BR-020, a cerca de 600km de Brasília. “Agora é só um corpo. Passei e não vi ninguém na rua, joguei no mato e saí”, confessou (veja vídeo abaixo).

Segundo ele, a intenção era dar um “susto” na mãe da criança, com quem teve um relacionamento, segundo a PCDF, e na ex-sogra. “É uma pessoa que não tem emoção. Se refere ao filho sempre como o ‘menino’. Disse que, após dar o medicamento, o garoto ficou ‘molinho’ e, ao constatar a morte, jogou o corpo em uma região de mato alto próximo a rodovia”, detalhou Leandro Ritt.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here