Início Brasil Em conferência, EUA apoiam entrada do Brasil na OCDE

Em conferência, EUA apoiam entrada do Brasil na OCDE

6
0
COMPARTILHAR

Por G1

Bolsonaro é recebido por Trump na Casa Branca em março; na ocasião, EUA anunciaram que iriam apoiar entrada do Brasil na OCDE — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

Os Estados Unidos apoiaram a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) durante a conferência ministerial do órgão, de acordo com uma publicação da Embaixada dos EUA em uma rede social.

A adesão dos EUA à candidatura do Brasil para pertencer à entidade foi anunciada durante o encontro do presidente Jair Bolsonaro com Donald Trump no dia 19 de março.

Pelo acordo, o Brasil iria abdicar de uma condição de tratamento diferenciado nos acordos comerciais internacionais em troca do apoio norte-americano.

Desde então, representantes do governo dos EUA teriam respondido de maneira dúbia se iriam de fato se posicionar a favor do Brasil na conferência ministerial que acontece nesta quinta (23), de acordo com o jornal “Valor Econômico”.

Países membros da OCDE — Foto: G1  Países membros da OCDE — Foto: G1

Países membros da OCDE — Foto: G1

O ministro Ernesto Araújo, de Relações Exteriores participa, em Paris, da reunião ministerial do conselho da OCDE nesta quinta (23).

Desde 2007, o Brasil é parceiro-chave da organização, mas não um membro. Em 2017, o país pediu formalmente para participar da OCDE, e aguarda uma resposta.

A OCDE é apelidada de “clube dos ricos”, e ingressar nela seria uma sinalização de que o país cumpre uma série de medidas econômicas ligadas à inflação e ao controle fiscal.

A principal vantagem apontada por especialistas é que, se o país fizer parte da organização, conseguirá atrair investidores do mundo inteiro.

Fatores positivos e negativos do Brasil na OCDE — Foto: G1 Fatores positivos e negativos do Brasil na OCDE — Foto: G1

Fatores positivos e negativos do Brasil na OCDE — Foto: G1

O ingresso implicaria a saída do Brasil de grupos de países em desenvolvimento.

Além disso, o país perderia a possibilidade de ter um tratamento especial diferenciado dado pela Organização Mundial do Comércio às nações que não são consideradas ricas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here