Início Notícias Brasil DF: Só um deputado federal não responde a processo na Justiça

DF: Só um deputado federal não responde a processo na Justiça

598
0
COMPARTILHAR

Representantes do DF na Câmara dos Deputado colecionam questionamentos no Judiciário

 Foto: Agência Câmara

Dos oito deputados federais eleitos em 2014 para representar o Distrito Federal, apenas um não responde a processo na Justiça. Ronaldo Fonseca (Pros) é o único que não é questionado pela Justiça por algum problema relacionado à vida púbica. Alberto Fraga (DEM)Augusto Carvalho (SD)Erika Kokay (PT)Izalci Lucas (PSDB)Laerte Bessa (PR)Rogério Rosso (PSD) e Rôney Nemer (PP) têm questionamentos na Justiça por diversos motivos, alguns respondem a ação penal.

Augusto Carvalho é o líder quando o assunto são problemas na Justiça. O deputado responde a pelo menos cinco processos, que tramitam no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) todos da época em que ele era secretário de Saúde.

Com condenação até em segunda instância, Fraga responde a pelo menos quatro ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF), por crimes de concussão (exigir vantagem indevida), peculato, falsidade ideológica e crimes contra o sistema nacional de armas, a fé pública e a administração em geral.

Outros dois federais respondem a quatro processos: os deputados do PP e PSDB. Rôney Nemer  responde a quatro processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF), sendo três por crimes contra a Lei de Licitações e um contra crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores, crimes praticados por funcionários públicos contra a administração em geral e corrupção passiva.

Já Izalci é citado em ação penal por crimes contra a fé pública eleitoral e falsidade ideológica, em que é investigado por omissão de doação na prestação de contas da campanha eleitoral de 2006; e três processos que apuram crime de peculato e formação de quadrilha.

Outros problemas

Erika Kokay foi denunciada, no fim de 2017, pelo então procuradora-geral Raquel Dodge, por supostamente se apropriar de parte do salário de uma servidora do gabinete dela na Câmara Legislativa. Antes, em 2016, Erika foi alvo de uma denúncia de outro PGR, o Rodrigo Janot, que levou ao STF uma ação pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro.

Bessa responde a dois processos – um no Supremo Tribunal Federal, que é recurso contra condenação por indenização por danos morais ao governador; outro em ação de improbidade administrativa no TJDFT, por irregularidades em concurso público para delegado da Polícia Civil do DF.

Já Rogério Rosso é investigado por peculato e captação ilícita de votos ou corrupção eleitoral, inquérito que ainda tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

O Poder no Quadrado levantou a vida de todos os deputados federais. As informações foram retiradas das bases de dados da Câmara Legislativa; Câmara dos Deputados; Senado Federal; Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT); Ministério Público Federal (MPF); Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT); Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF); Tribunal Superior Eleitoral (TSE); e Tribunal Regional Federal da 1ª Região (DF).

Os processos apontados na página Raio-X não incluem casos relacionados à atuação privada dos parlamentares, como processos em varas de família ou de cobrança de dívidas pessoais. Confira!

Fonte: Poder no quadrado

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here