Início Notícias Brasil Análise de especialista escolhido pelo Crea-DF aponta para recuperação do viaduto da...

Análise de especialista escolhido pelo Crea-DF aponta para recuperação do viaduto da Galeria dos Estados

28
0
COMPARTILHAR

Estudo concluiu que a estrutura é boa e apenas parte dos pilares deve ser demolida e reconstruída

GUILHERME PERA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Segurança, durabilidade e custo. Esses são os três pilares da solução a ser apresentada para o viaduto da Galeria dos Estados. E, segundo relatório de especialista apontado pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal (Crea-DF), o ideal é recuperar a maior parte da estrutura.

O levantamento feito pelo engenheiro Pedro de Almeida, professor da Universidade de São Paulo (USP) há 29 anos, aponta para a não demolição do tabuleiro central do viaduto da Galeria dos Estados. Foto: Andre Borges/Agência Brasília

O levantamento feito pelo engenheiro Pedro de Almeida, professor da Universidade de São Paulo (USP) há 29 anos, aponta para a não demolição do tabuleiro central. Esta é a parte da estrutura em cima da qual os veículos trafegam no Eixão.

“Hoje, com as premissas de sustentabilidade, é muito raro demolir estrutura com boa qualidade de material. A recomendação é manter o tabuleiro e reconstruir as asas dos pilares”, disse o especialista da USP, responsável pelo monitoramento da inspeção feita no viaduto em 2013.

A posição do governo de Brasília foi apresentada em entrevista coletiva no Palácio do Buriti nesta quinta-feira (8), um dia após a Universidade de Brasília (UnB) — integrante do grupo de trabalho como convidada, bem como o Crea-DF e o Clube de Engenharia — dizer que a demolição era o caminho.

O que vai definir o destino do viaduto da Galeria dos Estados

Os três fatores da decisão final sobre o que vai ser feito com o restante do viaduto foram apontados pelo diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), Márcio Buzar: segurança para a população; durabilidade do material; e quantidade de recursos públicos a serem investidos.

“Há consenso em aproveitar as fundações, os blocos de fundações e o núcleo do tabuleiro. Falta decidir quanto ao tabuleiro central”, disse Buzar. De acordo com ele, a conclusão com base em análises laboratoriais da UnB foi que o concreto é de boa qualidade. “De repente, aparece um segundo relatório em que se demanda a demolição”, ponderou.

A presidente do Crea-DF, Fátima Có, ratificou a decisão do governo. “A opinião de demolir foi momentânea, a olho nu, no dia da queda. O Crea tem convencimento, por meios técnicos, de que é possível recuperar o viaduto com segurança.”

O responsável pelo DER-DF, autarquia que administra o Eixão, ainda ressaltou que as alças de desvio no trânsito dão tranquilidade para decidir o que será feito. São, porém, uma solução temporária, pois o governo não pretende mexer na configuração da cidade.

Ações na Galeria dos Estados e monitoramento de pontes e viadutos

demolição e remoção do bloco que caiu ocorreu em 24 e 25 de fevereiro. A quebra da estrutura durou nove horas e 15 minutos ininterruptos. Cerca de 200 toneladas de entulho foram retiradas por 46 caminhões.

O material será reaproveitado pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) em meios-fios, tampas de bocas de lobo e outros equipamentos.

Assim que parte do viaduto caiu, o governo de Brasília iniciou os planos emergenciais para a manutenção do espaço. Primeiro o trânsito da via foi alterado para que os trabalhos de escoramento pudessem ser feitos.

Também foi preciso monitorar pontes e viadutos, como as Pontes do Bragueto, das Garças e Honestino Guimarães e o viaduto sobre a N2, ao lado do Conjunto Nacional.

Galeria dos Estados recebeu ações de manutenção, como processo preventivo. As galerias de águas pluviais foram limpas, assim como foi feita a remoção de infiltrações. A laje também será reforçada.

EDIÇÃO: MARINA MERCANTE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here