Início Notícias Brasil Nove Em Cada 10 Eleitores Não Têm Candidato Ao GDF

Nove Em Cada 10 Eleitores Não Têm Candidato Ao GDF

56
0
COMPARTILHAR

Levantamento produzido com exclusividade ao Correio destaca alta rejeição a eventuais candidatos ao Buriti. A administração de Rollemberg é reprovada por 67% dos entrevistados

 

 Ana Maria Campos , Helena Mader

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR - 6/8/10

O eleitor brasiliense está desiludido com a classe política e pessimista em relação ao futuro da cidade. Entre os cidadãos da capital federal, 91% ainda não sabem responder em quem votariam na disputa pelo Governo do Distrito Federal, o que mostra um cenário de indefinição na corrida eleitoral de 2018. Os moradores de Brasília rejeitam a maioria dos que já se articulam nos bastidores para concorrer ao Palácio do Buriti, mas não conseguem citar possíveis nomes novos, capazes de angariar votos no ano que vem.

 

Leia mais notícias de Cidades

 

A dura realidade para a classe política do DF é revelada por uma ampla pesquisa entre os eleitores, elaborada com exclusividade para o Correio Braziliense. O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados. Os pesquisadores ouviram 1.000 pessoas em 23 regiões administrativas. A margem de erro é de três pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%. As entrevistas foram realizadas entre 1º e 5 de julho.

 

 

Nesse clima de pessimismo e rejeição, a avaliação do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) sofre um baque. Entre os entrevistados, 67% consideram a gestão do chefe do Executivo como ruim (18%) ou péssima (49%); e 31% classificam o governo Rollemberg como ótimo (2%), bom (7%) ou regular (22%). Na divisão por faixa etária, os eleitores mais jovens, de 16 a 24 anos, e os mais idosos, acima de 60 anos, são os que têm uma melhor avaliação da administração do socialista.
As estatísticas revelam ainda que o eleitor está pessimista: 50% dos consultados acreditam que, daqui até o fim do mandato, a gestão Rollemberg vai piorar, 31% acham que a situação fica como está, 14% apostam em melhora, e 5% não souberam responder.

As estatísticas trazem algumas boas notícias para o governador. Dos temas analisados, alguns dos principais programas do GDF estão entre os que tiveram a melhor avaliação do eleitorado. A regularização de lotes, por exemplo, é aprovada por 17,8% dos entrevistados — tema com maior índice de aprovação. Já o ajuste nas contas públicas, com corte de gastos e suspensão de reajustes, tem o aval de 8,5% do eleitorado.

Contas públicas

Segundo a pesquisa, a gestão vai mal, principalmente, no combate ao desemprego: o brasiliense demonstrou preocupação com a falta de postos de trabalho e só 2,3% dos consultados pelo levantamento aprovam a atuação do governo no combate ao desemprego. A segurança pública é aprovada por apenas 4,4% dos moradores da cidade e a saúde, por 4,9%.

A pesquisa desvendou ainda quais são os principais problemas do Distrito Federal atualmente. A saúde é a grande inquietação dos moradores da capital para 32,4%. Em segundo lugar, aparece a segurança pública, citada por 21,5% dos entrevistados. A falta de trabalho é o terceiro problema, mencionado por 14,8% do total. Educação, corrupção, inflação, transporte público, crise hídrica são outros temas que apareceram durante o levantamento.

Crise política

 

 

A situação, entretanto, não é boa para nenhum político. Entre os mencionados, todos tiveram rejeição acima de 60%. O maior percentual é o de Rollemberg. Entre os entrevistados, 73,3% não votariam novamente no governador de jeito nenhum. Bispo Rodovalho (PP) e Chico Leite (Rede) aparecem na sequência, com rejeição de 70,9% e 70,6%, respectivamente. Entre os consultados na pesquisa, 68,9% não votariam em Érika Kokay (PT) e 67,2%, em Joe Valle (PDT).
Até mesmo o senador Reguffe (sem partido) tem rejeição em um patamar superior a 60%: segundo a pesquisa, 62,8% dos entrevistados não votariam no parlamentar. Jofran Frejat (PR) e Cristovam Buarque (PPS) tiveram os índices mais baixos de rejeição: 62,7% e 60,7%, respectivamente.

 

O diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados, Max Stabile, diz que as informações do levantamento revelam “um quadro de rejeição e de indefinição”. Para ele, a pesquisa indica ainda um espaço amplo para o surgimento de novos nomes. “Os dados mostram uma situação de desconhecimento, de punição e de pessimismo”, afirma o cientista político.

“Os dados mostram uma situação de desconhecimento, de punição e de pessimismo”
Max Stabile, diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here