Saúde Avança no DF! Vai Vendo…

    22
    0
    COMPARTILHAR

    Matéria publicada segunda-feira, 06, no site do GDF Agencia Brasilia. Diz que “Após um conjunto de ações emergenciais e estruturantes” a Saúde do DF Avança… Vai Vendo!

    22

    Saúde avança na superação de deficiências na rede pública

    Apesar da difícil situação financeira do DF, governo trabalha para regularizar estoques de remédios, fazer a manutenção de equipamentos e contratar servidores

    DA AGÊNCIA BRASÍLIA, COM INFORMAÇÕES DA SECRETARIA DE SAÚDE

    Após um conjunto de ações emergenciais e estruturantes, a rede pública de saúde de Brasília começou a dar sinais importantes de recuperação em áreas cruciais como a regularização do estoque de medicamentos, manutenção dos equipamentos hospitalares e reposição de recursos humanos.

    Para avançar na solução dos problemas que se acumularam em gestões anteriores, a Secretaria de Saúde segue analisando relatório apresentado em 31 de janeiro pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. De acordo com o diagnóstico do órgão, muitos dados já são conhecidos, uma vez que foram apresentados ao longo do ano passado, e soluções satisfatórias foram promovidas.

    O relatório foi produzido em conjunto com os Conselhos Regionais de Medicina (CRM-DF), de Enfermagem (Coren-DF), de Farmácia (CRF-DF), de Odontologia (CRO-DF) e de Engenharia e Agronomia (Crea-DF), com base em fiscalização feita nos hospitais públicos de Brasília.

    De março a outubro de 2016, foram vistoriadas as unidades de Taguatinga (HRT), do Gama, de Sobradinho, da Asa Norte (Hran), de Ceilândia (HRC) e da Região Leste (Paranoá), além do Hospital Materno-Infantil de Brasília (Hmib) e do Hospital de Base (HBDF).

    95%Meta de abastecimento da Secretaria de Saúde neste quadrimestre para os medicamentos oferecidos na rede pública

    Os principais problemas apontados nessas unidades foram carência dos recursos humanos, falta de insumos e de materiais médico-hospitalares e equipamentos sem manutenção.

    Em relação aos medicamentos, os problemas, observados no segundo semestre do ano passado, decorreram da falta de orçamento para compras e por frustração de licitações, segundo informou a secretaria.

    Em outubro, porém, foi colocado em ação um criterioso planejamento para reabastecimento, com mudanças de estruturas internas, de fluxos de processos e reforço de pessoal nas áreas relacionadas a contratações.

    Em três meses, foram licitados mais de 500 itens, com níveis de abastecimento que chegaram a 86,5% de medicamentos e 80,8% de materiais médico-hospitalares em janeiro. Além disso, já neste ano, foram publicados editais de outras 80 licitações. A meta da pasta é ter níveis superiores a 95% de suprimento até o fim do primeiro quadrimestre.

    A secretaria também reabasteceu a rede com reagentes para hemograma, bioquímica e enzimas cardíacas. A pasta dispõe de atas vigentes para todos os antibióticos e adquiriu próteses de quadril.

    Mais de 2 mil nomeações de servidores só em 2016

    Em 2016, mais de 2 mil servidores de diversas especialidades foram nomeados para substituir exonerações e aposentadorias.

    No entanto, reduções de carga horária promovidas pelo governo anterior para vigorar no atual, bem como aumentos concedidos sem critério, levaram a secretaria a gastar 83% do orçamento total com pessoal. Desse modo, foram excedidos os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, o que limita novas contratações.

    3,9 milNúmero de novos profissionais contratados desde 2015 para suprir as carências de recursos humanos na saúde

    Para contornar o problema, a pasta promove as reposições dentro dos limites da lei, movimenta servidores para os locais que mais necessitam e redimensiona a rede para promover maior eficácia na gestão de pessoas. Desde 2015, foram nomeados mais de 3,9 mil profissionais.

    Investimentos da secretaria na compra de equipamentos

    Apesar das dificuldades orçamentárias, a pasta trabalha para regularizar a situação dos equipamentos hospitalares e ampliar os investimentos na compra de novos aparelhos em 2017. Nesse campo, em 2016 foi feita toda a digitalização da radiologia.

    Foram ainda restabelecidos os contratos de manutenção preventiva e corretiva de tomógrafos e mamógrafos da rede, possibilitando a volta dos atendimentos nos Hospitais de Base e Materno-Infantil, na Central Radiológica de Taguatinga e nas unidades regionais da Asa Norte, Samambaia, Taguatinga, Ceilândia, Santa Maria, Sobradinho, Regional Leste e Regional do Gama.

    A secretaria trocou o ar-condicionado do Hospital da Região Leste e está fazendo a manutenção desse tipo de aparelho em toda a rede. A licitação de elevadores também já foi feita. Da agencia Brasilia.

    Informa Tudo DF