Cuidado: (Ibram) e (Adasa) recomendam que a população evite o banho e a pesca no Lago Paranoá.

    27
    0
    COMPARTILHAR

    (Ibram) e a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) recomendam que a população evite o banho e a pesca na parte Sul do Lago Paranoá. A contaminação é responsável pela mortandade de peixes e pela mudança na cor da água para um verde intenso

    Fim do mistério: Contaminação por cianobactérias é responsável pela mortandade de peixes no Lago Paranoá

    Situação pode ser constatada na altura da QL 12 do Lago Sul, em um trecho de mais de um quilômetro. Foto: Hugo Barreto

    O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) recomendam que a população evite o banho e a pesca na parte Sul do Lago Paranoá. O alerta deve-se ao florescimento de cianobactérias em uma área específica, que, por ora, vai das proximidades da Ponte das Garças até a Ponte Honestino Guimarães.

    A contaminação é responsável pela mortandade de peixes e pela mudança na cor da água para um verde intenso. Essas restrições valerão até que as condições normais de segurança quanto à qualidade da água retornem.

    Segundo a Adasa, o fenômeno e suas consequências estão sob monitoramento desde a sexta-feira (11). O Ibram e a Adasa informaram que procuram identificar o que teria causado o anormal florescimento das cianobactérias. Técnicos fazem o monitoramento sistemático dos locais que apresentam alteração, com visitas e a repetida coleta de amostras da água para análise em laboratório.

    A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) informou à Adasa que a estação de tratamento de esgoto Sul, a mais próxima da região onde ocorre o florescimento das cianobactérias, funciona sem anormalidades. E técnicos da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) farão a checagem das galerias de águas pluviais que desaguam no trecho sob acompanhamento.

    A investigação sobre o florescimento de cianobactérias depende do resultado dos exames laboratoriais. Esses dados vão ajudar a esclarecer a causa e a origem da proliferação da cianobactéria, da mudança na cor da água e da mortandade de peixes. Ibram e Adasa informarão a população até que a situação se normalize. Fonte: Jornal de Brasilia

    Informa Tudo DF