Cristovam Buarque se sentiu ‘incomodado’ após ser chamado de ‘golpista’ e encerra audiência

    37
    0
    COMPARTILHAR
    Ele foi hostilizado em audiência pública na comissão de Educação do Senado. Senador disse que se sentiu ‘incomodado’ com a situação.
    01/09/2016 14h07 – Atualizado em 01/09/2016 14h20
    Por Fernanda Calgaro
    Do G1, em Brasília
    Senador Cristovam Buarque é chamado de golpista por manifestantes em comissão de Educação no Senado (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)Senador Cristovam Buarque é chamado de golpista por manifestantes em audiência na comissão de Educação no Senado (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

    No dia seguinte ao impeachment de Dilma Rousseff, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que votou a favor da perda do mandato da petista, foi hostilizado nesta quinta-feira (1º) em uma audiência pública comandada por ele na Comissão de Educação no Senado. Sob gritos de “golpista”, ele encerrou no meio a sessão destinada a debater o projeto de lei da “escola sem partido”.

    A audiência havia sido convocada por Buarque para ouvir especialistas sobre o projeto, do qual é relator. Em meio aos debates, pessoas que acompanhavam a discussão começaram a gritar “golpista” e empunhar cartazes com essa palavra escrita.

    O senador tentou acalmar os ânimos, mas não adiantou. Diante da situação, Buarque, então, decidiu encerrar a audiência.

    “Eu comecei a ouvir o grito de ‘golpista, golpista, golpista’. Eu fiquei nove anos fora do Brasil para não conviver com golpista. E eu não quero que ninguém conviva com golpista”, afirmou o senador sobre o ocorrido e fazendo uma referência ao período da ditadura militar.

    “Como eles achavam que a mesa estava sendo coordenada por um golpista, em homenagem a eles, já que não têm coragem de se exilarem como eu fiz, preferi sair e suspender a sessão”, afirmou Cristovam Buarque.

    ‘Incomodado’
    Questionado depois por jornalistas se sentiu agredido, Cristovam Buarque esclareceu: “Agredido, não. Incomodado. Agredido é uma palavra que depende, tem gente que acha que agressão é só física. Não foi física, porque eu fui por dentro deles para ir embora e ninguém tocou em mim”.

    A proposta da “escola sem partido”, que era debatida antes da confusão na audiência, pretende limitar a atuação dos professores para impedir que promovam suas crenças particulares em sala de aula. E também dá aos pais o direito de escolher como seus filhos irão receber educação religiosa e moral para que seja “de acordo com as suas próprias convicções”.

    Informa Tudo DF