POLÊMICA: Secretária de Segurança cria crise com coronéis da PM e pode cair

    49
    0
    COMPARTILHAR
    Ela tratou coronéis com rispidez e ainda demiti-los
    Mais uma polêmica para a conta da secretária de Segurança Pública do Distrito Federal, Márcia Alencar. A psicóloga titular da pasta mandou exonerar, nesta sexta-feira (10), dois coronéis da Polícia Militar com quem teve desentendimentos em uma reunião na sede da SSP sobre a desocupação do hotel Torre Palace, na semana passada.

    O Diário Oficial do DF traz nesta sexta a exoneração do coronel Agrício da Silva, que era o comandante do Comando de Missões Especiais, do Departamento Operacional; e do coronel Alexandre Sérgio Vicente Ferreira, então chefe do Departamento Operacional do Subcomando-Geral da PM. Eles foram responsáveis pelo sucesso da operação que desocupou o invadido Torre.

    Com a determinação, os dois foram enviados para a parte administrativa da PM, o que é considerado pelos policiais como “punição”. Agrício vira diretor da Diretoria de Execução Orçamentária e Financeira do Departamento de Saúde e Assistência ao Pessoal; e Alexandre Sérgio passa a ser diretor da Diretoria de Ensino Assistencial, do Departamento de Educação e Cultura.

    Entenda o caso

    O desentendimento da secretária Márcia com os policiais foi na tarde de 3 de junho. Os comandantes de policiamento aguardavam o comandante-geral coronel Nunes do lado de fora da SSP para entrarem todos juntos para a reunião. Mas como o coronel Nunes demorava mais de hora para chegar, os oficiais resolveram entrar na sala. Lá, segundo informações, foram recebidos pela secretária de maneira descortês, dizendo que eles estavam atrasados e por esta razão deveria ser repetido tudo que fora tratado.

    Neste momento, o coronel Alexandre Sérgio começou a explicar que chegou no horário, mas permaneceu do lado de fora porque não foi informado do que seria trataria ali e esperaria por ordens de seu comandante, situação natural para quem conhece o a hierarquia do militarismo. Márcia não gostou.

    Sentindo-se desrespeitada com a resposta, a secretária teria dito ao comandante que ela era a autoridade ali e que queria ser respeitada. Márcia teria perguntado ainda em tom debochado porque vieram tantos coronéis para aquela reunião e, quando o comandante de Policiamento especial, coronel Agrício, iria responder, Márcia disse que ele não precisava falar nada ali. Houve bate-boca.

    Com a situação, um a um os coronéis foram se retirando da sala. Ficou para o comandante-geral atrasado a missão de tentar pacificar a situação. Mas não deu certo.

    Mais polêmicas

    A secretária Márcia enfrenta graves denúncias em relação à sua conduta à frente da segurança do DF. No mês passado foi revelado que ela usa carros da polícia como escolta para a família e como transporte aos filhos. Além disso, descobriu-se que ela nomeou a empregada doméstica para exercer cargo de assessora técnica na Secretaria de Segurança. Como se não bastasse, Márcia levou o filho adolescente para dar um passeio de helicóptero do Detran sobre Brasília no dia da votação do impeachment na Câmara dos Deputados.

    A presidente da Câmara Legislativa do DF, Celina Leão, à época, criticou durante a secretária. “Ela está fazendo da SSP o puxadinho da casa dela”, disse. A secretária então foi convocada para dar explicações na CLDF.

    Oficialmente, o governador Rodrigo Rollemberg diz que mantém Márcia no cargo, à frente de toda a seguraça do DF e das forças policiais, mas nos bastidores já se sabe que a exoneração dela é dada como certa.

    Em nota à imprensa, o chefe da Casa Militar, coronel Cláudio Ribas, responsável pelo remanejamento de policiais, disse que a saída dos coronéis Agrício e Alexandre Sérgio não tiveram qualquer relação com o episódio ocorrido na Secretaria de Segurança Pública e disse que a troca foi com o intuito de “promover ajustes operacionais e administrativos em busca de melhores resultados”. Fonte: Dario do Poder.

    Informa Tudo DF