Em 2018, população do Distrito Federal já votará em administrador

    15
    0
    COMPARTILHAR

    Candidato deve morar na região e ser filiado a partido. Projeto está a caminho da Câmara Legislativa

    Em outubro de 2018, quando os brasilienses forem às urnas para escolher governador, senadores e deputados federais e distritais, poderão também votar em administradores para as regiões do Distrito Federal. Pelo menos esta é a intenção do governador Rodrigo Rollemberg, que garante: cumprirá a promessa de campanha na próxima semana, quando enviará à Câmara Legislativa projeto que trata do tema.

    Segundo a proposta do Executivo, o candidato deve estar filiado a um partido político e deve ter domicílio eleitoral na região administrativa onde vai concorrer. Palavras do governador, que visitou a redação do Jornal de Brasília e o estúdio de rádio do programa JBr. No Ar, na tarde de ontem.

    As regiões administrativas podem sofrer mudanças, conforme indica Rollemberg: “As regiões  serão definidas pela Câmara Legislativa, a partir de iniciativa do governador.”

    A eleição direta para administrador, diz Rollemberg, é mais que o cumprimento de um compromisso de campanha. “É, ao mesmo tempo, uma convicção de que quem tem melhores condições de escolher o administrador da cidade é a população que mora lá, que conhece os problemas, conhece as pessoas da cidade”, destaca.

    Debate

    Antes de ser aprovado, o projeto deve ser amplamente discutido pelos parlamentares e pela população. “Queremos fazer um grande debate com a Câmara Legislativa e com a população”, promete. “Vamos ampliar os processos democráticos e a participação popular”, resume.

    Rollemberg está convicto de que o governo não terá problemas com a tramitação do processo na Casa. “Estamos aperfeiçoando a democracia. No nosso entendimento, este é um desejo da população. Tenho convicção de que a chance de isso passar é muito grande. E vamos trabalhar neste sentido”, diz.

    As eleições diretas, na opinião do chefe do Executivo, não ferem o princípio constitucional de indivisibilidade do DF. “Vai ser  eleição para o administrador da região, não é o prefeito. Será como é hoje. A diferença é que, agora, ele é indicado pelo governador e, depois, será escolhido pela população”, esclarece. Fonte: Da redação do Jornal de Brasília.

    Informa Tudo DF