Itapoã-DF: Continuam até sexta-feifa as remoções na invasão da DF-440

    118
    0
    COMPARTILHAR

    Continuam as remoções em terreno da Terracap perto da DF-440

    Até sexta-feira (8), operação pretende remover cerca de 900 edificações irregulares que causam dano ambiental

    Continuam as remoções em terreno da Terracap perto da DF-440

    O governo de Brasília voltou, nesta quarta-feira (6), ao terreno de aproximadamente 3 hectares da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), às margens da DF-440, próximo ao Paranoá.

    Segundo o Instituto Brasília Ambiental (Ibram), a operação, iniciada ontem e com previsão de terminar na sexta-feira (8), visa a combater a degradação do meio ambiente, no caso, o desmatamento de vegetação nativa. Um balanço preliminar está previsto para amanhã (7).

    Na manhã de hoje, não foram registrados episódios de violência ou resistência por parte dos ocupantes. “Com o passar do tempo, as pessoas entendem que se trata de uma atitude legítima e respaldada pela lei”, acredita o tenente-coronel da Polícia Militar Rosenildo Lima, coordenador de Projetos da Subchefia de Ordem Pública e Social, vinculada à Casa Militar.

    Sobrevoo
    A meta é retirar cerca de 900 edificações até sexta-feira. “Os barracos estão em uma extensão muito grande, então vamos precisar fazer um reconhecimento aéreo para saber a quantidade de estruturas removidas”, explica o militar. O sobrevoo deve ser feito até o fim do dia.

    Nesta quarta-feira, foram usadas duas pás mecânicas, uma pá de pequeno porte e 15 caminhões. Os entulhos são encaminhados ao aterro controlado do Jóquei.

    Participaram da operação a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros Militar, a Companhia de Saneamento Ambiental, a Polícia Civil e o Serviço de Limpeza Urbana.

    Perícia
    De acordo com o delegado Ivan Dantas, da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística, da Polícia Civil, perícia feita ontem constatou o dano ambiental. “Aqueles que estiverem envolvidos no crime podem pegar de 1 a 5 anos de prisão.”

    Cinco homens e uma mulher foram presos ontem por dificultar a atuação dos órgãos envolvidos. Após o pagamento de fiança de R$ 300, foram soltos. No caso de Severiano de Oliveira Nascimento, de 47 anos, considerado um dos líderes da ocupação, o valor pago foi R$ 5 mil. “Ele ainda pode responder pelo crime de parcelamento irregular do solo”, informa o delegado. Fonte: Agencia brasilia.

    informa Tudo DF