PMDB vence queda de braço da base e elege Eduardo Cunha presidente da Câmara

    23
    0
    COMPARTILHAR

    Chinaglia (PT) ficou em segundo lugar, com 136 votos — 131 a menos que o vencedor

    Eduardo Cunha, neste domingo (1º)Joel Rodrigues/Estadão Conteúdo

    O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi eleito, neste domingo (1º), presidente da Câmara para o próximo biênio. Com a vitória, o PMDB permanece na liderança da direção da Casa por mais dois anos, consolidando o fim da alternância de partidos firmada anteriormente com o PT.

    Cunha venceu a disputa com 267 votos, derrotando os outros três
    candidatos ao cargo. Arlindo Chinaglia (PT-SP) recebeu 136 votos e ficou em segundo lugar na disputa.

    O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que tinha o apoio da oposição, recebeu 100 votos e ficou em terceiro lugar. Em último lugar, o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), que não teve apoio oficial de nenhum partido político, recebeu 8 votos. Dois deputados votaram em branco.

    Com a vitória, Cunha leva a melhor na queda de braço com o PT. Mesmo sendo aliados na base de apoio ao governo, os dois partidos disputaram voto a voto a presidência da Casa. Para o professor de ciências políticas da UnB (Universidade de Brasília) Antonio Flávio Testa, a polarização pode parecer um racha, mas ao final vai fortalecer ainda mais a base.

    — Isso não quer dizer que vai haver um racha, mas os partidos vão cobrar muito mais pelo apoio. O PT perde mais, e o PMDB ganha com isso. Ao longo do ano, o PT pode perder espaço, mas a base PT-PMDB não perde. Por mais que abracem políticos diferentes, são partidos muito aliados ainda.​

    Composição da Mesa

    Como não indicou candidatos próprios a nenhum cargo e perdeu a eleição, o PT está fora da Mesa Diretora da Câmara pelos próximos dois anos.

    O deputado Waldir Maranhão (PP-MA) foi indicado pelo bloco do PMDB para ser o primeiro vice-presidente e venceu a eleição. Como era candidato único, bastou conseguir votos suficientes para formar o quórum mínimo exigido (257 votos).

    Já a segunda vice-presidência foi resolvida nas urnas pelo nome de Lúcio Vale (PR-PA). Ele foi o indicado pelo bloco do PT, mas Giacobo (PR-PR) decidiu lançar uma candidatura avulsa, mesmo sendo do mesmo partido do parlamentar que foi indicado oficialmente. Ele foi, no entanto, derrotado.

    A primeira secretaria da Câmara, responsável pelos serviços administrativos da Casa, também foi indicação do bloco do PMDB, que escolheu o deputado Beto Mansur (PRB-SP). A segunda secretaria, que cuida de assuntos internacionais e passaportes diplomáticos dos parlamentares, ficou com o deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), indicado pelo bloco do PT.

    O bloco da oposição, encabeçado pelo PSDB, ficou com a terceira secretaria – que exerce a função de corregedoria da Câmara, além de regular as passagens de transporte aéreo e as faltas dos deputados. A deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) foi a escolhida.

    A quarta secretaria, que cuida dos apartamentos funcionais e da concessão de auxílio moradia, vai ficar com o deputado Alex Canziani (PTB-PR). O parlamentar foi indicado pelo bloco do PMDB.

    No caso das quatro secretarias, os candidatos concorreram sem nenhum concorrente para os respectivos cargos foram aprovados pelos deputados presentes.

    Do R7

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here