Sem propostas, candidatos ao GDF usam propaganda para criticar adversários

    25
    0
    COMPARTILHAR

    Pouco falaram do programa de governo. Especialistas destacam que a população quer saber o que os concorrentes pretendem fazer pela cidade

    campanhaArruda
     
    Arruda aparece na TV falando sobre a emoção de estar de volta
    Na estreia da propaganda eleitoral de tevê, a maioria dos candidatos ao Governo do Distrito Federal aproveitou a oportunidade para se apresentar ao eleitorado sem, contudo, usar o tempo para mostrar propostas. Houve também homenagens e troca de acusações. À noite, três deles apareceram em programas completamente diferentes. A coordenação da campanha dos concorrentes prepara ainda inserções com temas variados para os próximos dias, quando eles começarão a fazer promessas em caso de vencerem a disputa. Especialistas avaliam que, a partir do momento que os debates esquentarem, o clima vai refletir nos programas de televisão.
    Primeiro a ter a propaganda eleitoral divulgada, durante a tarde, José Roberto Arruda (PR) usou os 3 minutos e 6 segundos para mostrar o corpo a corpo que tem feito com eleitores. Também aproveitou o tempo para explorar a imagem de brasilienses que pediam a volta dele. O candidato falou sobre a emoção de concorrer ao governo e afirmou que “vai tratar das acusações no momento certo”. E a resposta veio no programa da noite, que adotou discurso bem diferente.
    Arruda argumento que os vídeos em que ele aparece recebendo dinheiro supostamente ilegal são imagens montadas e fraudes. Ele apresentou laudos que apontariam que estas teriam sido captadas em 2005, antes de ele se candidatar ao GDF, quando ainda era deputado federal. O candidato do PR finalizou a aparição na tevê afirmando que, agora, “é hora de resgatar a honra”.
    campanha:rollemberg

    Rollemberg: discurso emocionado sobre Eduardo Campos
    Toninho do PSol deu sequência à propaganda. Com 1 minuto e 11 segundos, explorou pontos turísticos da capital, como a Esplanada dos Ministérios, o corpo a corpo com eleitores na Rodoviária do Plano Piloto. Também divulgou imagens antigas dele e falou sobre as desigualdades na capital. Ao som de forró, a propaganda foi encerrada com cenas do candidato abraçando eleitores brasilienses. O vídeo foi o mesmo veiculado à noite.
    Rodrigo Rollemberg (PSB), à tarde, usou todo o tempo para reproduzir um discurso que fez no Senado, há uma semana. Usou os 3 minutos e 59 segundos lamentando a morte do presidenciável Eduardo Campos (PSB), um dos mentores de sua candidatura ao governo local. À noite, o socialista mudou a propaganda, e, sem discursar ou aparecer, explorou depoimentos de moradores da capital sobre problemas, expectativas para a capital e reprovando o “rouba, mas faz”.
    Com o menor tempo entre os candidatos ao GDF — 1 minuto e 6 segundos —, a única mulher na disputa ao Buriti foi a que apresentou a propaganda mais discreta. Perci Marrara (PCO) fez a gravação em estúdio e falou sobre a intenção de reduzir a carga horária de trabalho para 35 horas semanais, além de aumentar o salário mínimo para R$ 3,5 mil. Ela, no entanto, não apresentou nenhum plano para realizar a promessa.
    campanha:agnelo

    Agnelo: depoimentos de Lula, Dilma e Magela
    Agnelo Queiroz (PT) veio na sequência e apresentou, segundo especialistas, uma propaganda com alta produção. O vídeo contou com depoimentos do ex-presidente Lula, dizendo que “se depender de gesto meu, podem ter certeza que Agnelo será governador.”
    Vice de Agnelo, Tadeu Filippelli (PMDB) ressaltou que ele e o petista se abraçaram, na eleição passada, para reerguer e resgatar a autoestima do DF. O governador finalizou o programa com a promessa de escola integral em todo o DF, caso seja eleito. Aproveitou ainda para afirmar que também tem o objetivo de “impedir que certos personagens que fizeram parte de um tempo sombrio, que evergonharam nossa gente, tentem o governo novamente”. À noite, o petista apresentou uma nova propaganda. Falou sobre a beleza de Brasília, os investimentos na saúde, no transporte e na educação. Contou ainda com o apoio da presidente Dilma Rousseff, que pediu votos para o petista. Vestido de preto, Agnelo finalizou o vídeo lamentando a morte de Eduardo Campos.
    O último a ter o programa exibido foi Luiz Pitiman (PSDB). Os primeiros momentos dos 2 minutos e 37 segundos mostram trabalhadores de várias regiões do país que moram em Brasília. O tucano também explorou fotos antigas e da família. E, como tem feito desde o início da campanha, apareceu ao lado do presidenciável pelo PSDB, Aécio Neves.
    Promoção
    O cientista político Emerson Masullo ressalta que o primeiro dia de propaganda eleitoral foi marcado por muita publicidade e poucas propostas dos candidatos para a capital. Masullo acompanhou o programa dos concorrentes ao GDF e destacou o esmero em algumas produções. “Percebemos uma evolução em termos de programa de governo. Muitos não usaram a oportunidade para falar de maneira efetiva dos planos. A população não está tão interessada em ver campanha publicitária, mas as propostas, isso já no começo da campanha”, ressaltou.
    Masullo acredita que, na medida em que os debates esquentarem, as propagandas políticas também ficarão mais intensas. “Alguns partidos de oposição aguardam o tom dos debates. A partir daí, isso vai migrar para o horário eleitoral. É a tendência dessa eleição.”
    Uma crítica do cientista político é a falta de divulgação dos candidatos a vice-governador e a divulgação excessiva da imagem do presidenciável Eduardo Campos. “Acho louvável que façam homenagem, mas o sentimento é que muitos estão tentando angariar votos. No fundo, alguns usaram a imagem até de forma indevida. Enquanto isso, muitos vices nem foram apresentados à população”, complementou Masullo.
    Professor da Universidade de Brasília (UnB), Lúcio Rennó ressalta também que, ontem, o que se viu foi um esforço de apresentação pessoal dos candidatos. “Arruda se preocupa em justificar o escândalo que o levou à prisão, enquanto Agnelo tenta demonstrar que fez um bom governo. Isso demonstra a tônica da eleição”, detalha o cientista político.
    A estratégia usada por Rodrigo Rollemberg no programa da noite foi elogiada pelo professor da UnB. “Adotou uma estratégia de criticar um adversário de forma indireta, por meio de entrevistados, Pode ter um impacto. Mas eles ainda não apresentaram o plano de governo”, complementa Rennó.
    José Roberto Arruda (PR)
    O ex-governador explorou os minutos que tem para propaganda eleitoral com imagens feitas ao longo da campanha no Paranoá. O vídeo focou especialmente em pessoas pedindo a volta do candidato ao governo. Arruda aparece no vídeo falando sobre a emoção de estar de volta, com a Ponte JK e um pôr do sol ao fundo. Disse que vai “tratar das acusações no momento certo” e declarou o amor por Brasília e “uma enorme vontade de trabalhar” . À noite, Arruda
    usou uma nova propaganda e disse que as imagens foram montadas em 2005. ”.
    Rollemberg (PSB)
    O senador dedicou todo o tempo que tinha para a propa
    ganda eleitoral com um pronunciamento feito há uma semana no Senado Federal. Na gravação, o socialista apareceu emocionado falando sobre a morte do presidenciável Eduardo Campos. Rollemberg não usou nada além da gravação, onde também aparece o senador Cristovam Buarque. No horário eleitoral da noite, o candidato usou outro vídeo, em que mostrou depoimentos de moradores da capital falando sobre o que querem para o DF.
    Agnelo Queiroz (PT)
    Com o maior tempo de propaganda eleitoral e uma produção bem articula, Agnelo Queiroz usou imagens feitas ao longo da campanha, mas as mais exploradas foram feitas no dia da convenção do partido, quando ele foi escolhido para tentar a reeleição. Contou ainda com depoimentos do ex-presidente Lula, do vice, Tadeu Filippelli, do candidato a senador Geraldo Magela, e do presidente regional do PT, Roberto Policarpo. Na propaganda da noite, o petista falou sobre o que fez no mandato e usou a imagem e o depoimento de Dilma Rousseff.
    Toninho (PSol)
    O vídeo começou com imagens da Esplanada dos Ministérios e da Rodoviária do Plano Piloto. O candidato falou sobre a vida pessoal e desigualdades sociais. Além disso, o programa mostrou imagens das manifestações do ano passado e também fotos antigas e Toninho. Com uma trilha sonora voltada para o forró, o candidato do PSol finalizou a propaganda de 1 minuto e 11 segundos abraçando eleitores.
    Perci (PCO)
    Com o registro de candidatura negado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a única mulher concorrente ao GDF, Perci Marrara fez a gravação, de 1 minuto e 6 segundos, em um estúdio, sem muita produção. Pouco articulada, falou sobre desemprego no DF e apresentou propostas para redução da carga horária de trabalho para 35 horas e salário mínimo de R$ 3,5 mil.
    Luiz Pitiman (PSDB)
    O tucano explorou fotos de família e imagens antigas ao longo de 2 minutos e 37 segundos. Citou a Lei da Ficha Limpa e mostrou o corpo a corpo com eleitores. O vídeo apresentou o candidato, pouco conhecido do eleitor. A propaganda terminou com Pitiman ao lado do presidenciável Aécio Neves. A imagem dos dois tem sido veiculada desde o início da campanha.

    Fonte: Correio Braziliense

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here