DF: Paulo Octávio desiste de concorrer a deputado federal

    17
    0
    COMPARTILHAR

     

    O ex-vice-governador Paulo Octávio (PP) desistiu de concorrer a uma vaga de deputado federal. Ele não havia se lançado candidato nas convenções de junho mas, com a renúncia de um dos concorrentes da coligação de seu partido, ele foi convidado a entrar na disputa. Durante uma semana, fez suspense sobre a decisão. Era grande a expectativa de políticos que integram a coligação mas, ontem, o ex-vice-governador anunciou que não voltará a concorrer este ano. …

     
    O candidato a deputado federal Joanisval Brito Gonçalves, consultor legislativo do Senado, havia conseguido registrar o número de urna 1111 — o mais disputado da sigla. Ele lançou até um site para apresentar sua candidatura e divulgar seu perfil. Mas, no mês passado, Joanisval renunciou à candidatura. 
     
    O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, procurou Paulo Octávio e fez o convite para que ele substituísse Joanisval. A lei eleitoral permite a troca até dois meses antes das eleições — o prazo para substituição terminaria hoje (6). A possibilidade de mudança na nominata causou preocupação entre os outros candidatos do grupo, que reúne, além do PP, o PT, o PRB, o PCdoB, o PSC e o Pros. 
     
    Eles temiam que a chegada de um candidato com alto potencial de votos como Paulo Octávio atrapalhasse a eleição de algum dos representantes do grupo. Entre os petistas, também havia o receio de críticas do eleitorado por conta da aliança, já que Paulo Octávio foi vice-governador de José Roberto Arruda, que hoje é justamente o principal alvo de críticas dos petistas. 
     
    Paulo Octávio diz que, depois de fazer consultas à família, decidiu se dedicar mais às atividades empresariais. Ele afirma, entretanto, que a decisão não representa um afastamento da política. “Sou apaixonado pela política, mas tudo tem o momento certo. Continuarei firme em minhas atividades partidárias, já que sou o vice-presidente do PP no DF, e vou acompanhar os candidatos”, explica. “Daqui a quatro anos, a ideia é voltar, com mais força ainda”, promete. 
     

    Fonte: ANA MARIA CAMPOS e HELENA MADER – Correio Braziliense –