Justiça retomará julgamento que pode tornar Alberto Fraga inelegível

    10
    0
    COMPARTILHAR

    Se condenado por porte ilegal de armas, o ex-deputado federal corre o risco de não disputar as eleições, embora as interpretações da Lei da Ficha Limpa sejam controvérsias

    fraga2014
    Está pronto para voltar à pauta da 1ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) um processo que pode confirmar a condenação do presidente do DEM-DF, Alberto Fraga, por porte ilegal de armas e munições.
    Há uma semana, a relatora do caso, desembargadora Sandra de Santis, e o revisor, desembargador Romão Oliveira, votaram pela condenação do ex-deputado federal. Na ocasião, o desembargador Gilberto Pereira de Oliveira pediu mais tempo para analisar o processo, interrompendo o julgamento.
    Basta mais um voto no mesmo sentido para que Fraga seja condenado a uma pena que pode chegar a 16 anos de prisão, além de multa. Não bastasse, apesar de controvérsias jurídicas, o político poderia, ainda, ficar de fora das eleições de outubro, quando ele pretende concorrer para tentar retornar à Câmara.
    Em setembro do ano passado, o ex-deputado federal foi condenado, em primeira instância, por portar sem autorização e em desacordo com determinação legal e regulamentar um revólver Magnum .357 e 283 munições de uso restrito.
    A apreensão do armamento irregular ocorreu em julho de 2011, em um flat às margens do Lago Paranoá que, segundo o Ministério Público do DF, autor da ação, pertencia à Fraga. No apartamento, também havia 1.112 projéteis de uso permitido.
    À época, o ex-deputado federal alegou inocência, criticando a forma como ocorreu a busca e apreensão e sustentando que não havia indícios de autoria dos equipamentos. Na noite desta quarta-feira (11/06), o Correio não conseguiu contato com Fraga.
    O acusado de porte ilegal de armas é considerado um dos principais líderes do movimento contra o desarmamento no Brasil. Foi, inclusive, o líder da Frente Parlamentar pelo Direito à Legítima Defesa, que comandou a campanha vencedora no Referendo das Armas, em 2005. Ocupou o cargo de secretário de Transportes no governo de José Roberto Arruda de 2007 a 2010, ano em que recebeu 511 mil votos, mas não conseguiu se eleger senador pelo partido que preside no DF.

    EXTRAIDO DO DONNY SILVA

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here