PMDB: Segunda bancada, é 7° em emendas

    21
    0
    COMPARTILHAR

    Partido é superado até pelo PSB, que lançará Campos contra Dilma

    Os peemedebistas, líderes da rebeldia na bancada aliada contra o Palácio do Planalto, enfrentam um ano difícil quando o assunto é emendas parlamentares. …

    O partido tem a 2ª maior bancada do Congresso (78 deputados e 20 senadores), mas está na 7ª posição no ranking de verbas destinadas neste ano para o pagamento de emendas individuais.
     
    O PMDB perde até para o PSB, que rumou para a oposição e lançará Eduardo Campos contra Dilma Rousseff na disputa pela Presidência da República.
     
    De 1.jan.2014 até a última 2ª feira (11.mar.2014), o governo liberou R$ 4,9 milhões para pagar emendas de deputados e senadores do PMDB que haviam sido empenhadas nos Orçamentos de 2010, 2011, 2012 e 2013. No mesmo período, o PSB recebeu R$ 5,4 milhões.
     
    Esses valores são o que verdadeiramente importam para os congressistas preocupados em realizar obras em seus redutos eleitorais. É dinheiro liberado para efetivamente pagar as emendas.
     
    O partido mais beneficiado é o PT, que tem a maior bancada (86 deputados e 13 senadores) e recebeu R$ 10,1 milhões.
     
    Em 2º lugar está o PSD, de Gilberto Kassab –privilégio que não impediu a legenda de votar em massa contra o governo na 3ª feira (12.mar.2014) pela criação de uma comissão externa para investigar a Petrobras.
     
    Na soma de todos os partidos, foram liberados R$ 67 milhões para emendas individuais neste ano. Um valor muito baixo, indicando que o Planalto ainda não abriu a torneira de verbas públicas para apaziguar sua base. Cada congressista tem direito a indicar cerca de R$ 14 milhões em emendas por ano.
     
    O levantamento foi realizado no Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira do governo federal) pela Liderdança do DEM na Câmara, a pedido do Blog. O resultado exclui as emendas de bancada e as genéricas (quando a autoria da emenda é compartilhada por mais de um congressista).

    Fonte: FERNANDO RODRIGUES – Portal UOL –